terça-feira, 26 de novembro de 2013

ÁGUAS

 ÁGUAS

Queria banhar a minha alma
Nas águas puras da fonte
Para esquecer esta dor
Que dilacera o meu coração
Tirar do meu corpo este sofrimento.
O coração bate descompassado
Como se quisesse fugir de mim.
Num grito desesperado imploro
Vai-te embora dor maldita.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca